25 fevereiro 2009

TransAlvão e TransMarão

E aqui está ela, a prometida selecção alargada de fotos do passeio para Trails do passado dia 15 de Fevereiro, o primeiro passeio do ano para este tipo de moto, organizado pelo Moto Clube do Porto.

Marão e Alvão rimam com Tosta (;-) e assim foi!
Mais uma vez o Rui Tosta a comandar as tropas e mais uma vez com início na casa da guarda florestal de Fridão.
Lá, entra-se em terra por uns estradões muito bonitos, e ainda para mais com o dia de sol fantástico que se fez sentir.


Desta vez, dali seguimos um pouco mais para norte, no sentido de Mondim de Basto, e à tão emblemática Senhora da Graça, que tão fotogénica fica, por trás da Transalp!
;-)


Estava prometido ser um passeio fácil, acessível a todos e a todas as motos.
E até foi, mas isso não impede os contratempos dos furos.
Contratempo? Será mesmo? Não sei!...
É que uma das coisas muito animadas destes passeios são as duas de letra que se vai tirando, precisamente nestas paragens. E uma vez que o passeio até era fácil em termos de percurso, tinha de haver outras "distrações" :-)


Mas o que mais destaco neste percurso é a beleza paisagística.
O Alvão é realmente muito bonito!

A primeira paragem turística foi na conhecida "Fisgas de Ermelo".
Aqui, as cabras do monte ao lado... da cabra do monte.
:-)))


E as fisgas, ou quedas de água.
Tanta água e tanta pedra!! :-O


Para nordeste de Ermelo, no sentido de Lamas de Ôlo, atravessamos algumas pequenas aldeias muito interessantes.
Interessantes... esteticamente e paisagisticamente, mas que me custa sempre perceber como é que a população por lá se mantém.
Parece que estão abandonadas no meio das serras, com uns acessos... pouco acessíveis.


Nunca tinha passado em Lamas de Ôlo, embora há muito que conheço esta pequena localidade de nome.
Está num vale muito bonito, atravessado pelo rio Ôlo (... claro! ;-) e por umas pontes de pedra muito antigas. Vale bem a pena uma visita mais calma!


E a sua barragem, logo acima.


E foi ao circundarmos esta barragem que apareceu uma das maiores pequenas (ou pequenas maiores ;-) dificuldades do dia: troços de lama e neve.
Torna o percurso um pouco mais apimentado :-D


É que embora estivesse um bonito sol, lá "em cima" estava bem fresco e a neve ainda se mantinha.
Lindas imagens!


Mas as dificuldades eram só para alguns.
Havia depois aqueles que se "atreviam" a estas coisas...
O Osaga a meter inveja ao pessoal, com um controlo à trial da sua 125.


A chegada ao asfalto da Campeã, onde paramos para almoçar.
E se de início não queria alinhar nas "tripas à moda do Porto", e me fiquei apenas pela sande de presunto transmontano, com queijo e marmelada, não aguentei!
Tive mesmo que mandar vir uma malguinha das tão afamadas tripas.
E que bem que souberam :-)))


E com umas tripas no bucho (...) lá seguimos nós, agora para o alto do Marão.
Lá no alto ainda havia muita neve, e nos recantos mais sombrios o gelo fazia as motos patinar...


A neve é sempre divertida e o grupo aproveitou para uns 15 min de brincadeira.
Um mês antes tinha sido impossível, ou pouco aconselhável, fazer a mesma coisa...


De lá descemos, com direcção sudoeste, por uns trilhos também já bem conhecidos, mas sempre interessantes!...


... É que o ano passado fiquei preso numa destas regueiras, precisamente depois desta curva à esquerda.
É que a fotografia (como sempre) não aparenta, mas neste sítio desce bastante!


O percurso de regresso a Fridão fez-se contornando o Marão, agora por trilhos de menor altitude.
O grau de dificuldade dos mesmos não é elevada, mas o nível de atenção tem de estar bem "lá em cima". É que um erro aqui pode custar uma queda pelas encostas... por umas dezenas largas de metros!


O Sérgio, que fechava o pelotão, na passagem pelo "túnel", perto de uma das antigas e abandonadas minas de volfrâmio do Marão.


Para terminar, a única foto do Tosta em acção.
Ele que voltou a levar a sua DR e que aqui já rodava há uns quilómetros com o pneu da frente furado.
E nem sequer foi isso que o impediu de manter um andamento de 60/70 km/h pelos estradões planos até Fridão :-O
Grande maluco!

20 fevereiro 2009

Marão em comunicação

Marão em comunicação, não fica mal...
Rima e tudo!
;-)

Aqui fica, um filmezinho fantástico, com uma qualidade invejável, próprio de um Berlim ou de um Cannes.
:-D
Durante a subida, por estrada, às antenas (de comunicação... lá está!), instaladas bem no alto do Marão.
Foi a única altura em que me lembrei de filmar, durante o último passeio para Trails do Moto Clube do Porto, que se realizou no passado domingo, 15.

video

Enquanto não faço uma selecção mais alargada, deixo apenas 4 fotos, tiradas pelo Sérgio e Rodrigo, em que apareço... eu! :-))

14 fevereiro 2009

Já outrora... foi a neve!

A conversa da lesão no peito fez-me lembrar da minha "ida à neve", de há uns anos atrás.
Fui a San Isidro, numa viagem de 4 dias, sendo dois deles para viagens e os outros dois, os do meio, para a neve propriamente dita.


Se na altura fiquei entusiasmado com a actividade, e cheio de vontade de a repetir rapidamente, nunca mais aconteceu. Acho que a falta de disponibilidade dos mesmos 4 dias, nesta altura, seja a principal razão.
Enfim, não dá para tudo!

Aqui ficam umas pics do "jeitoso" à saída do hotel...


E logo após ter pegado naquelas "coisas maljeitosas de meter nos pés", chamadas de skis...
:-))


E foi aqui pelo meio que tive a primeira lesão... um pé torcido.
Desta vez não foi numa queda, mas (apenas!...) através do esforço que fiz para me pôr de pé.
Quem não sabe é como quem não vê... e antes de fazer as aulas para principiantes fiz muita asneirinha!


Mas a pior de todas foi no segundo dia, quando achei que já sabia alguma coisa e... resolvi fazer uma pista vermelha.
Uma atravessadela menos controlada e o típico: skis para um lado, esquiador para o outro... a aterrar mesmo em cima do punho que segurava o bastão.
Não parti nada, mas ainda deu para ficar uns tempitos meio torcido, com umas dores como se tivesse partido!
:-(

10 fevereiro 2009

Esplendor... na areia

Vamos lá então à parte II deste curso intensivo de condução em areia.

Depois de começarmos a ver que o tempo estava a apertar, resolvemos marcar como objectivo chegar a Praia de Mira e voltar para norte, não pelo mesmo percurso, mas por outro trilho, mais junto ao mar.

Mas as coisas complicaram-se logo ao final de 100 m. Mal tínhamos acabado de entrar em areia novamente, por um caminho entre as canas e junto ao canal de Mira, aparece-nos... isto:


O caminho entrava por água dentro :-O
E não foi caso único. Depois de termos conseguido dar a volta ao primeiro lago... eis que se nos depara um segundo, e depois um terceiro e...


Chegou um ponto em que ficamos (bem, eu fiquei!...) completamente exaustos!
É que cada ponto onde era preciso dar a volta estava a custar cada vez mais, pois os pneus slick da Transalp não ajudavam a sair dos regos.


Depois de dez minutos de pé, enquanto eu ajudava o Sérgio a sair com a moto dele do sítio onde tinha ficado atascado, e no momento em que dizia: "olha para ela de pé, sem descanso!", não é que resolve cair mesmo para a fotografia???....
Parecia de propósito e a dizer: "Vamos embora!!"


Decidimos mesmo aí dar por terminado o reconhecimento por aquele dia.
Ainda faltava dar a volta às outras duas motos e voltar tudo para trás, até ao alcatrão.
E só isso já não foi pêra doce!...
Acho que a imagem seguinte é ilustrativa disso mesmo ;-)


O Pedro, esse, embora estivesse já com um punho ligado (O Sérgio, como bom líder de caravana, anda sempre preparado para todas as ocasiões! ;) ) conseguiu virar a sua Teneré com muito mais facilidade.
À custa de uma experiência muito maior do que a minha em areia, mas presumo que também à custa dos seus Karoo.
Foi aqui que decidi: "Não volto à areia sem trocar de pneus!"


O Sérgio, estava todo divertido a tirar fotos :)
A sua Transalp kitada, não andava na areia como a minha. Planava por cima dela ;)
Mas também teve direito a pelo menos uma fotografia...


Treino, treino, treino. É isso que falta!
Para já, estou numa de recuperação, pois fiquei mesmo, mesmo, "roto".
(curiosidade... de uma coincidência "atroz": enquanto escrevia estas linhas, liga-me a senhora do ginásio onde estou inscrito (sim, apenas inscrito), a perguntar porque é que não ponho lá os pés... há meses!...)
Falta de preparação física também é coisa que a areia não perdoa.

Não volto à areia sem uns pneus de taco, na moto, e com os meus slick, na cintura!
:-D

09 fevereiro 2009

Areia do nosso contentamento

No passado sábado, 7 de Fevereiro, um fantástico dia de sol ;-), fiz o meu primeiro passeio com a Transalp em areia.

A ideia já tinha surgido há uns meses, no final do País Dekarta, em que participei com o Sérgio Alves, entre Valongo e Santa Marta de Penaguião.
No meio de vários fins-de-semana ocupados, lá conseguimos este livre (embora em paralelo com outro aqui do grupo norte dos Nomad's... )
Além do meu baptismo neste tipo de terreno, a ideia do passeio era também criar um track que permita, num futuro próximo, realizar um passeio (ligeiramente) mais organizado, onde se possa convidar mais pessoal, quer para moto como para carro.

Além de mim e do Sérgio, compareceu ainda o Pedro (Vinhal ?), que tive imenso gosto em conhecer, quer pela simpatia, quer pela ajuda e incentivo que me foi dando durante todo o passeio.

Marcados no dia anterior pelo Sérgio, através de cartas militares e imagens do Google, os trilhos e waypoints começavam algures em Gafanha da Encarnação (para mim continua a ser "Aveiro" ;-), "descia" até Figueira da Foz, e voltavam até perto do ponto de partida.
No entanto, acabamos por fazer apenas uma versão mais curta do que o previsto, tendo feito "inversão de marcha" em Mira. Os reconhecimentos são mesmo assim, e nem por isso achei que o passeio tivesse sido propriamente curto... :-)


Enquanto "fazíamos horas", à espera do Pedro, que acordou um pouco mais tarde, resolvi fazer os primeiros ensaios.
O primeiro contacto que fiz com a areia foi... desastroso!
Em 300 m para lá, e de volta para cá, caí 4 vezes. com a agravante de ter ficado logo com as costas a "arder"...
Andar em areia mole não tem mesmo nada a ver com andar em terra, lama ou pedra. O tipo de condução é totalmente diferente!
Embora já me tivessem transmitido os conceitos teóricos necessários, a prática estava a faltar.
E cheguei mesmo a pensar em desistir rapidamente:
"Ora bem, se eu cair 4 vezes por 500 m, ao fim dos 50 km até à Figueira dá... um N demasiado grande de quedas, que eu provavelmente não aguento!!"
Mas não.
Depois de ter enchido novamente os pneus, pois esvaziei-os tanto à primeira, que ficaram abaixo de 0,5 bar... (daí o desvio até Ílhavo, que aparece na imagem anterior), lá entramos na areia "a sério".
(Para variar - não sei o que se está a passar comigo - voltei a não levar máquina fotográfica... :-(
Assim, a acompanhar o relato, aqui ficam algumas fotos de alta-qualidade ;-) tiradas pelo telemóvel do Sérgio.


É preciso é confiança e dar algum gás!!
Em segunda e/ou terceira pois em primeira não dá...
E lá fui eu, a andar sobre/entre areia ;-)


Na primeira subida (claro!...) lá fiquei atascado e a precisar de ajuda para sair dali...


É que além da experiência não existir, os pneus não eram propriamente adaptados ao terreno.
Pareciam slicks, com os rasgos cheios de areia :-O


Segundo os meus parceiros Nomad's, e de forma a motivar-me um pouco mais ;-) eu até consegui adquirir a técnica muito rapidamente.
O truque passa mesmo por "perder o medo" e manter uma velocidade razoável.
Mas nunca pensei que pudesse rolar em areia fofa, igual à da praia (...) a 60 km/h!!!
Mas é verdade!

Aqui estou eu, numa das muitas paragens que fomos fazendo, para descansar um pouco, ou apenas para duas de letra ;-)


E o Pedro, na sua atitude sempre positiva e divertida.



Mas nem tudo foram rosas...
É que se cair a 5 km/h não é bem cair, é mais deixar cair a moto para o lado, cair em velocidade é... um bocadinho pior!
Por muito fofa que possa ser a areia, um impacto maior deixou-me marcas no peito, por ter aterrado mesmo em cima do punho fechado. Neste momento, mais de 48 h depois, ainda estou (bastante) dorido...
Fez-me lembrar de uma queda semelhante, numa superfície ainda mais fofa, a neve, na minha primeira, e última até agora, experiência de ski, onde também estive uma semanita a Voltaren para recuperar... :-(

Depois de começar a andar na areia, o segundo aspecto a aprender rapidamente é que não se pode parar onde se quer, correndo o sério risco de ficar atascado ao tentar arrancar.
Aqui uma série de fotos onde essa foi a grande dificuldade, pois não parei bem no topo da subida, onde era suposto...


E claro que o resultado é ficarmos esgotados fisicamente e a precisar de uns bons minutos de descanso!!
;-)


Mas às vezes não há mesmo hipótese!...
Uma pequena distração, uma maior atravessadela e... já estás parado a meio duma subida e a precisar de ajuda para sair dali...
E... mais uma vez o Pedro na ajuda constante!
Obrigado ao Pedro e ao Sérgio pelas várias ajudas ao longo deste dia!


Alguns trilhos menos moles, onde dava para umas atravessadelas mais controladas... e outras nem por isso.
Posso estar enganado, mas na última foto, e bem no centro, havia um "baixo" onde a areia voltava a ficar completamente fofa e, ao atravessar por cima de uma raíz escondida, lá fui eu novamente ao tapete...
Acho que deve haver um filmezinho desta última queda do dia, mas isso só mesmo em "cenas do próximo episódio".


Até mais logo, pois ainda faltam mais umas fotos e filmes para terminar o relato.