26 dezembro 2008

País DeKarta TT

No já longínquo dia 11 de Outubro, quase do ano passado, participei na primeira edição do País DeKarta TT às Vindimas.

Sendo mais um evento organizado pelo Moto Clube do Porto, desta vez teve o apoio de outras entidades externas, a principal das quais a KTM.
Mesmo não sendo uma corrida "à séria", o propósito principal era uma competição de motos de Enduro com componente de orientação à carta.
E, para além das motos de Enduro, estavam, lá pelo meio, as motos de Trail...
A ideia, para as Trail, era seguir (quase) todos os trilhos das Enduro, à excepção daqueles tipo corta-mato, em que as Enduro tinham que se chegar aos pontos cartográficos e registar a sua presença.
Estava prevista dureza!
No início do ano, aquando da apresentação do calendário de eventos do MCP, este apresentava-se como sendo o "Passeio para Trails - Pró", que é como quem diz: Pró-Tombo
:-)

O passeio tinha como local de partida a sede do MCP, com um primeiro ponto de reunião principal junto ao antigo sanatório de Valongo. Ora, sendo eu "daqui", resolvi não me deslocar ao Porto para ter que voltar.
Desta vez, a acompanhar-me, tive a presença do meu primaço, Sérgio, com a sua Transalp toda kitada para estas coisas do monte. Ele já há muito que faz uns passeios com os Nomad's e por isso foi sentindo a necessidade de ir alterando umas coisas.
Ao lado da minha já nem parece uma Transalp, a não ser por aqueles pormenores marcantes, como as duplas saídas de escape, que não enganam ninguém ;-)


O dia estava muito bom para a prática deste ... desporto (será que se pode chamar assim?).
Não estava quente, com umas nuvens altas no céu. No entanto, estava prevista chuva para o final do dia... o que daria direito a uma molha lá para os lados da banda de lá do Marão.
O ponto de chegada do passeio estava marcado para a aldeia de Fontes, pertencente ao concelho de Santa Marta de Penaguião.

Primeiro, antes de começar... a espera. É que o pessoal chegou ao sanatório com quase uma hora de atraso. Este é sem dúvida o grande problema das grandes organizações!
Só Trails eram perto de 20, mas no total havia cerca de 100 motos.
E circular no monte não é o mesmo que circular em estrada...

Mas lá começamos, e logo com uma das grandes dificuldades do dia: uma descida de um corta-fogo, com uma grande pendente, bem lá de cima da zona das antenas da Santa Justa.


Lá se fez a descida.
Não houve grandes crises, só vi dois "deixa tombar para o lado", mas admito que não gosto destas passagens. Deixam-me um pouco assustado! Com aquela inclinação, se algo não corre bem pode dar direito a vir parar cá baixo aos trambolhos...
É que a melhor maneira para fazer estas coisas é "com confiança", mas sem exageros.
Uma das quedas que vi foi de um tipo que, antes dele próprio descer, se fartou de dizer aos outros para "deixar ir, que é melhor"...

Não, a foto abaixo não é desse tombo ;-)
É apenas um exemplo de pequenas falhas mecânicas que aconteceram. Neste caso foi a placa de protecção inferior da GS do Vasco, que se soltou e precisou de uns arames para se manter no sítio até ao final. E resultou!


Mas houve outros "problemazinhos" piores.
Nesta passagem de lama, uma das 4 Transalp que participaram neste passeio sofreu uma queda resultante de uma atravessadela não programada e,... por azar, caiu mesmo em cima da maneta do travão, fazendo-a torcer em demasia e partir.
Aqui não havia volta a dar pois partiu mesmo no suporte. Teve que circular sem travão da frente até à estrada mais próxima e terminar o passeio por ali. É uma coisa que pode sempre acontecer e que é preciso estar preparado para quando ocorrer.
Como já disse várias vezes "a moto só tem duas rodas e, mais tarde ou mais cedo, há-de tombar".
É sagrado! (boa expressão para ser usada no Natal ;-)


Aqui a Transalp em grande estilo!


A foto de grupo no alto da Serra das Pias.
Bem, não é do grupo todo pois houve antes um grupo de maiores aventureiros que resolveram tomar um atalho e... perder-se.
Só uns quilómetros mais à frente, por pura coincidência é que nos reencontramos.
Este foi um dos pormenores que não gostei deste passeio: muita gente, e muita gente que desconhecia a forma de circular em grupo no monte. Ou se conhecia, tinha demasiado vontade própria!...
Já mais tarde, e por causa disto mesmo, assisti a uma repreensão dada ao grupo pelo nosso líder, o Sauros (Sérgio). É que há regras básicas que é necessário cumprir para que a coisa corra bem!


E por falar em Sauros, aqui está ele em acção, a ajudar um piloto que demonstrou algumas dificuldades em subir o trilho por trás da capela da Senhora do Salto.
Aquilo não era fácil!
Há uns meses atrás fiz naquele local um test-drive a umas cabras (KTM, precisamente) e fiquei com a ideia que seria impossível subir com a Transalp.
Bem... parece que estava enganado. Felizmente, pois até subi com relativa facilidade!


O piloto em questão, e pelas grandes dificuldades demonstradas, acabou por desistir da parte da manhã do passeio neste sítio. Juntou-se ao grupo novamente no local marcado para o almoço.
É que nem os pneus de taco ajudaram esta Kawasaki de cor KTM e mecânica Suzuki (coisa esquisita aquela ;-)
O Bruno, na outra Transalp igual à minha, andava também sempre a ajudar.


Grande Transalp!


O almoço chegou tarde, mas chegou.
Um almoço volante, constituído por umas sandes, uns rissóis, fruta e uma bilra.
Soube muito bem!!
Depois de um tempito extra à espera de uma solda no escape do sempre divertido SecaAdegas, lá partimos nós novamente.


A parte da tarde prometia ser mais soft.
A zona de Valongo não perdoa!... Nem os Valonguenses ;-)

Aqui, parados num dos pontos de registo das Enduro, junto a um rochedo com uma forma mais ou menos pitoresca.


Os trilhos entre o Marco de Canaveses e o Marão, que já fiz algumas vezes, quer de carro quer de moto, são muito interessantes para as big Trail.
Em piso mais ou menos direito, muito semelhantes aos da zona de Fafe, permitem uns deslizes laterais e umas curvas em contra-brecagem muito engraçados. O problema está normalmente em conseguir controlar a adrenalina e não abusar na velocidade...
É que é muito fácil de atingir os 100... mas parar... nem por isso.
Sem crises, correu tudo bem também por aqui.


Em pose, em frente a um Dólmen, ponto de visita do passeio.


Na passagem, ou logo após, um dos locais que mais problemas trouxe na parte da tarde.
Deste não tenho grandes fotos pois passei a máquina para o modo vídeo.
Aquele que aparece no final deste post...


Ao fundo, um dos trilhos que mais gozo me deu fazer em todo o passeio.
É uma subida difícil, cheia de pedra solta, mas que dá um prazer indescritível.
Já o fiz 3 vezes, sempre "a abrir" e nas três quase que caía...
Mesmo assim, quando lá voltar (não é: se, é mesmo: quando ;-) é para o voltar a fazer "a abrir"!


Reunindo o pessoal antes de arrancar para o "tal" trilho, à entrada da aldeia de Mafómedes.
Sobre a aldeia, e enquanto pesquisava sobre a mesma, encontrei este artigo, que achei muito interessante.


Já no alto, a vista dos aerogeradores dos Seixinhos.
O sentido é o sul, sobre Mesão Frio e o rio Douro. Na foto não é visível, pela envolvente de nevoeiro que começava a instalar-se, mas ele está lá ;-)


A descida do alto do Marão foi feita já de noite e com os relâmpagos de uma forte tempestade a aproximar-se.
A chuva estava perto mas... para minha surpresa, não chegou a cair sobre nós!...
Curiosamente, no Porto, nessa altura, estava a chover ;-)

E assim foi até chegarmos a Fontes, onde fomos muito bem recebidos.
O organizador-mor deste passeio, Paulo Mesquita, é de lá e já tinha tudo preparado para receber toda esta "maralha".


Depois de um bom jantar (que soube espectacularmente!!) a entrega de prémios aos vencedores da prova das Enduro.
Por mim, estava contente por ter corrido muito bem.
Não caí, nem tombei! Admito que estava um pouco preocupado... Já tinha feito o percurso no GoogleEarth e... oh meu menino!!...


Houve muitos dos pilotos de ocasião que ficaram por Fontes a dormir. Havia ainda uma parte, para quem quisesse, no domingo de manhã, já em direcção ao Porto.
Eu, e mais um grupinho, saímos de lá já tarde. Viemos nas calmas mas sempre num ritmo certo.
Estávamos cansados mas contentes!

Para acabar, o filmezinho.
Para variar, e como também acontece com as fotografias, as dificuldades parecem que quase não existem nestas imagens...
Mas elas estão lá, acreditem! ;-)

2 comentários:

Anónimo disse...

Grande reportagem e boas fotos, foi sem duvida um domingo em cheio na companhia de pessoal porreiro.
As transalp's como sempre 5 estrelas, já alguem o disse "não as vendam, deixem-nas para os netos".
Abraço.
Bruno

Sérgio Alves disse...

Estava a ver que estas fotos nunca mais apareciam no blog! E cada vez que vejo a minha "menina" a cair no video até me dá uma dor...