12 abril 2017

Moinhos plantados pelo Rei

Já lá vão quase dois meses... mas sempre dentro do prazo ;)

Registo fotográfico da caminhada  feita na serra da Cabreira, em meados de Fevereiro, entre Abadim e Torrinheiras, freguesia pertencente a Cabeceiras de Basto.
"Lá para cima", portanto!




O trilho sugerido pela Luz, grande fã destas aventuras, começou precisamente na casa dela.
Seguindo o caneiro, feito em granito, "escalamos" dos 570 m aos 900 m de altitude, onde este se inicia, cruzando os vários, imensos, moinhos que aproveitam a força destas águas.
A maior concentração destes, conhecida por Moinhos de Rei, resulta num local bucólico e muito interessante, que vale bem a pena a visita e o desfrute.



Mas a nossa "escalada" não terminava por ali.
Continuamos a subir, atingindo, no ponto mais elevado da nossa caminhada, os 1023 m, segundo os gpésses de serviço.
Um local com uma paisagem soberba para norte e para os picos (ainda) nevados do Gerês.
Estava era um briol que não se aguentava... Bbrrrr.... Por isso, nem uma fotografia desse local mais elevado.



Terra sobretudo agrícola, por ali pasta muito gado bovino, mas não só.
É fácil irmos nos cruzando com cavalos, que maravilham qualquer um com a sua pose.
Além dos tons invernosos da paisagem, mais uns castanhos e pretos, que caracterizam os animais desta região.



Mas estávamos ali para caminhar ou para comer?
Para comer, como é óbvio!!  :-)
Chegamos a Torrinheiras à horinha de almoço. Havia que comer e depois decidir se haveria condições/vontade para retornar a pé.
Houve, mas por pouco... ;)



E até não começou mal, com muito sol a penetrar por entre as nuvens.
Exactamente como a previsão anunciava, de manhã apanhamos um aguaceiro forte, de chuva fria (gelo?), entre as 11 e o meio dia.
E à tarde... também não falhou...



Felizmente, o grosso passou-nos ao lado.
Apanhamos com alguma chuva na cabeça mas não a que vimos cair.
Com o sol baixo e a muita chuva, foi interessante ver a formação de dois arco-íris concêntricos, completos.
Quatro potes de ouro à disposição!
Seria? Não fomos verificar ;)



Nesta ligação para "baixo" seguimos um trilho diferente, com passagem por outros dois lugares da freguesia de Abadim: Porto D'Olho e Travassô.
Aldeiazinhas de "meia dúzia" de habitantes, onde as vacas têm sempre posição de destaque.



Foram cerca de 24 km de treino, feitos praticamente em ritmo de passeio, em que correu tudo "numa boa".
Agradecimentos finais aos caminhantes participantes, Luz, Daniel e Pedro's, pai e filho, pela companhia ao longo do dia, mas também ao Rui, à Ana e ao Simão, durante o almoço.

Fica o link para a selecção alargada das fotos feitas no dia.

03 abril 2017

Corrida Africo-Atlantica

A época "desportiva" contou neste domingo com mais um evento em grande:
Corrida do Mar, by Runporto, pelas bandas do Farol de Leça.

Convidado em cima da hora para mais uma destas actividades "profissio-dominicais", lá estive eu presente, integrado na equipa do Moto Clube do Porto.


Dia fantástico de sol, com uma temperatura excelente para a prática da corrida: não muito quente, em que sabia bem o casaquinho por cima da t-shirt!...
Como tem sido frequente, desde que o "animal de carga" passou a ser a Africa Twin, o serviço ficou-se pelo transporte da equipa médica.
O "problema" é a dificuldade/impedimento que os fotógrafos e cameramen têm em andar virados para trás, pois os suportes laterais são demasiado largos (será preciso reclamar com a Honda? ;)



Mas para "animal de carga" até que não se porta nada mal.
Top-case cheia com o desfibrilhador e, em cima da mesma, ainda vai, segura com a "aranha" de elásticos, a enorme mala carregada de "tralha médica".
Segundo o próprio médico, eram cerca de 30 kg que ali estavam!...



Oficialmente terminada a 4ª prova, das 25 programadas para 2017.
Ufa, que já estou a começar a ficar cansado!...


16 fevereiro 2017

Consumos Africanos

Estava à espera (ainda estou) do primeiro aniversário da Africa Twin para fazer um resumo completo dos consumos que tenho feito, mas hoje, ao fazer as contas relativas ao "Nosso Dakar", com percurso efectuado principalmente em fora-de-estrada, dei conta de algo que me surpreendeu.

Num total de 550 km fez um consumo médio de... 4,48 L/100 km!!

Excelente resultado, principalmente quando comparado com os consumos da Transalp, que neste tipo de condução nunca baixava dos 6 L/100 km.
Sempre a poupar, portanto ;-)





11 fevereiro 2017

A certeza da bonança...

... que às vezes peca por tardia, mas não falha.

Tarde magnífica, esta!
Daquelas a que não falta (quase) nada.
Se há uma semana o muito vento e a muita chuva até assustavam, hoje havia uma ligeira brisa que até sabia bem.



Objectivo... era algo não havia, propriamente.
Foi sendo "afinado" em andamento.
Com início em Labruge, segui, desta vez, para norte, junto à costa.
Os passadiços hoje já apresentavam movimento, dos imensos aproveitadores do sol.
Apetecia!...




Estava a aproximar-me de Vila do Conde e ainda não tinha o destino definido.
Acabei por ficar por ali mesmo quando ouvi a "Catarina" a dar notícias da distância percorrida: tinha acabado de fazer 9 km.
Pela hora, dava para fazer o regresso e ainda chegar antes do pôr do sol...



Junto à foz do rio Ave, os surfistas faziam-se às ondas.
Surf, paddle e bodyboard, tudo à molhada.
Junto ao molhe, parecia-me apropriado ;)

Se os troncos trazidos pelas marés até dão um enquadramento interessante às fotografias, o lixo... não!
Montes de lixo, principalmente plásticos, cobrem o areal.
Triste realidade actual...



"Esplanada", da esplanada, do bar Set Lounge, mesmo em cima da praia da Azurara.
Demasiado em cima da praia? Completamente!...


No regresso, os tons aqueceram.
O sol baixo começa a tornar tudo mais bonito...

Algures, pela Reserva Ornitológica do Mindelo.



E já em Vila Chã.
À hora que passei pelo Largo dos Pescadores havia por lá uns 10 fotógrafos de ocasião, que aproveitavam a luz e o colorido dos barcos e restante equipamento de pesca.


Quase a chegar ao carro, não podia faltar o registo da passagem por São Paio.
Já não é a primeira vez, mas vale sempre a pena.
Termino como comecei: magnífico!





A fechar, referência à qualidade fotográfica destes registos, feitos com o Huawei P9 Lite.
Admirável, tendo em consideração a miserável dimensão da lente!

05 fevereiro 2017

Em dia de tempestade e alertas laranjas...

... há que sair à rua.

Como há quase um ano, novo adiamento da caminhada marcada com um pequeno grupo de amigos, devido às intempéries...
Desta vez seria "lá para cima", na serra da Cabreira, mas o mau tempo levou-nos a deixar para mais logo.

Mas também, como no ano passado, a mochila estava pronta e o impermeável já vestido...
A dúvida surgia: dar uma "voltinha"? Se sim, por onde?...
Para não variar, decisão em cima da hora. Destino: Porto.




Quando saí de casa o tempo ainda se segurava. Não chovia e nem havia muito vento.
Mas nada que durasse muito...
Em Perafita, a cerca de 500 m do mar, o rugido que as ondas e o vento faziam era brutal!
E a intenção era mesmo fazer o trilho sempre junto ao mar...
O passadiço entre o Cabo do Mundo e o farol de Leça, que costuma ser muito frequentado ao fim-de-semana, estava deserto. Não admirava!




E se já não era fácil caminhar com vento forte a soprar de sul, de frente, pior ficou quando começou a chover.
Fazer o "calçadão" entre o farol e a marina de Leça não foi pêra doce!...
Ainda que as abas largas do chapéu protegessem alguma coisa, levar com as pingas da chuva e respingos das ondas do mar na cara nunca é agradável.



Mas mau, mau, estava em Matosinhos.
Tempo bom (será?...) estava apenas para os kitesurfistas que por ali andavam.
Será que eles usam óculos? É que levar constantemente com água projectada em "excesso de velocidade" impede praticamente a visão. Para eles e para mim.
Fugi daquele passeio, completamente cheio de areia, e rumei um pouco para o interior. Um desvio que me fez atravessar o parque da cidade.




Na foz do Douro não estava melhor, mas era um ponto que queria espreitar.
Afinal, dois dias antes fizeram-se por ali centenas de fotos, das ondas a chocar contra os pontões e os faróis da barra.
No entanto, a maré, vazia, não permitia tal espectacularidade.
Fiquei-me pela distância permitida pelas muitas fitas colocadas pela Protecção Civil, mas tão pouco respeitadas. Eram várias as pessoas que as tinham atravessado e estavam mesmo junto ao molhe.
Nem com todos os avisos... não percebo...


O vento por ali mantinha-se tão forte que mais uma vez resolvi afastar-me um pouco da costa.
Acho que foi a primeira vez que atravessei o jardim do Passeio Alegre.

Nota (muito) negativa para a sola das minhas botas. Demasiado escorregadia. Se em piso empedrado (paralelo) molhado não é fácil caminhar, porque vão sempre a escorregar, no piso macio e musgoso do jardim estive por duas vezes a cair, tal os slides que fiz.
Ainda estou para ver como se comportam no monte... mas não estou nada confiante.



Sem mais alternativas de "interior", havia que voltar à marginal.
No entanto, agora o caminhar era facilitado com a direcção do vento, que vinha do mar, empurrando-me "por ali acima".
Já sem água a bater nos olhos, comecei a disparar mais vezes... ;)


A disparar mais vezes e até a desviar-me do caminho só para fazer uma fotografia, como a seguinte, junto do antigo farol/capela de São Miguel-O-Anjo que, segundo placa de informação no local, é "o mais antigo farol existente em Portugal, construído em 1527".


Já fiz este percurso por diversas vezes, mas não consigo deixar de o registar.
Alguns pormenores, alguns mais vistos, outros menos, como uma ilha cheia de gaivotas em descanso.



Como a ideia era voltar para casa de comboio, resolvi desviar em Massarelos, subindo a rua da Restauração. Já a tinha subido de carro e de bicicleta, mas nunca a pé.
Continua puxadinha! ;)


A chegar ao destino, 5 horas e cerca de 30 km depois.
Segundo o Endomondo, 30,97 km, segundo o Sports-tracker, 29,58 km.
Em que é que ficamos? No que contou mais, naturalmente! ;)
Não percebo tal disparidade, principalmente ao olhar para os tracks registados, que aparentemente não diferem muito...
Um desvio de quase 1,5 km em apenas 30... parece-me demasiado.
Só recentemente instalei os dois. Vou começar a testá-los e compará-los.