26 setembro 2008

Azores 2008 - 10

Depois de um dia atascados nas piscinas do hotel, um dia de passeio em quatro rodas.
Para este primeiro dia de pópó resolvemos atacar os Biscoitos.
Biscoitos é uma pequena vila no norte da ilha, conhecida por duas coisas: as piscinas naturais e o vinho, existindo lá, inclusivamente, um museu do vinho.
Mas deste último não trago história, não é que não gostasse ;-)

Sendo a minha primeira visita a piscinas naturais, não deixei de estranhar a organização das mesmas.
Bandeira azul a anunciar a qualidade das mesmas e a verde a atestar o bom dia escolhido para o mergulho.


E se de longe já se começa a gostar do local, quando se chega a ver a água fica-se... de boca, olhos, tudo... aberto.
É lindo! Simplesmente, lindo!
Mas acho que só visto mesmo. As fotos, que até acho que estão bem boas, não conseguem mostrar aquilo que se sente no local. Incrível, mesmo!


E a quantidade de peixes que povoam estas rochas vulcânicas é também assinalável.
Já tinha visto muitos peixes, em quase todos as praias e cais por onde tínhamos estado, mas isto era muito acima disso. De muitas cores e tamanhos, por todo o lado.
Que pena fiquei de não ter uns óculos para mergulhar com eles...
Aqui ficam umas fotos (quase) subaquáticas, com uma máquina sem filtro polarizador.


E voltando à superfície, mais umas shots onde o azul impera (aliás, o azul impera sempre... ;)
O difícil mesmo foi conseguir parar de fotografar...


Para o almoço nada melhor do que um piquenique à sombrinha, no meio do verde e com o mar em fundo.
E nem sequer é preciso procurar muito!...


De tarde resolvemos continuar com o bem-bom, mas agora numa localização um pouco mais à direita no mapa, na Baía das Quatro Ribeiras, para ser mais preciso.
Aqui existe mesmo uma piscina, não natural, mas onde a água é do mar, permanentemente renovada. Mais uma vez um sítio muito bonito, agora com umas cores diferentes , que fugiam mais para os tons verdes.


E se até este dia tinha praticamente evitado apanhar sol quente, neste, e não sei muito bem porquê, resolvi trabalhar um pouco para o bronze.
O resultado ainda hoje se vê... depois de uma tosta daquelas!... :-(
É que nem sequer apanhei muito tempo de sol, mas da maneira que estava branco não devia ter arriscado mesmo.

Enfim, mais um dia excelentemente bem passado, coroado no final por mais uma também boa refeição. De peixe, é claro!
Resolvemos experimentar mais uma das indicações do "nosso homem" local e fomos ao Leme, bem no centro de Angra do Heroísmo.
A este tenho, no entanto, a apontar um ponto negativo: é um restaurante de fumadores. Não reparei antes e depois já era tarde. Já é tão estranho ter que apanhar com fumo enquanto se come...
Grande lei, esta anti-tabágica!

4 comentários:

Anónimo disse...

Caro JFAlves,

Parabéns pelo fantástico blog!

Gostei, particularmente da s/ crónica do Lés-a-Lés. Está muito completa.

Criei no Facebook um Grupo intitulado "Cheguei ao fim de um Lés-a-Lés" e gostaria imenso de incluir a crónica que redigiu, bem como algumas das suas fotografias.

Não o quero fazer sem sua anuência, por isso segue o pedido.

Um abraço,

Eloy Rodrigues (eloyrodrigues@eloy.pt)

Gi disse...

Numa agua cristalina como esta, dá mesmo vontade de fotografar.
Parabens

AJO disse...

Mas que maravilha.... palavras para quê? O melhor mesmo é ver e voltar a ver estas fotos fantáticas...
BS para todos

James_Bond disse...

Pois temos aqui boa água , bons touros , de tudo , só para corrigir uma coisa , o que chamam vila aqui como Biscoitos e sete cidades , são freguesias , na Ilha Terceira só tem uma uma vila que foi elevada há pouco tempo a Vila das Lajes