21 outubro 2007

O primeiro da época 07/08

As férias há muito que passaram (quando é que são as próximas??), mas o verão parece que ainda não acabou!
Por isso, até nem se pode dizer que a época esteja a começar tarde...

Fiz este sábado, mais uma vez com os amigos do Clube Audio TT, um passeio denominado "por Terras do Alvarinho".
É certo que de vinhedos do belo néctar nem vê-los, mas a região é mesmo esta - Monção e Melgaço, ou seja, no extremo noroeste de Portugal.
Aliás, o ponto de partida foi mesmo em Extremo ;-)
(Extremo é, para quem não sabe, uma das freguesias de Arcos de Valdevez)

À hora marcada para a chegada, 9:00, e depois de hora e meia de viagem, lá estávamos nós prontíssimos para o início da aventura do dia.
Um dia que começava um pouco frio: no local, e àquela hora, estavam uns meros 6 ºC...





Mas não é com um friozinho que a vontade de iniciar estes "trabalhos" congela!
Depois de um breve briefing inicial, oferecido pelos Srs. Directores do passeio ;-), Rui Martins e Esteves, lá partimos nós para a primeira etapa, com destino a Castro Laboreiro.

Com a baixa temperatura o fumo não sobe no céu como é costume noutras alturas mais quentes.
O efeito era de um nevoeiro pouco denso e em finas línguas. As paisagens, já de si muito interessantes, estavam magníficas quando vistas de cima.


E nada como um Pajero Pinin para chegar bem lá acima!
:-)







Muuuuu!!!


A parte da manhã, embora tivesse sido considerada de dificuldade média, ou média baixa, pedia uma certa "dose de estômago".
É que, depois deste grande período sem chuva, os trilhos estão duríssimos e os solavancos são ainda maiores.
A Mónica, que nem costuma enjoar, ficou "meia tocada" ;-)
Não tenho, no entanto, grandes fotos desta longa..... zona, que pelo meio tinha ainda umas dificuldades mais trialeiras.


A meio da manhã tempo ainda para o Reforço da manhã, que faz parte integrante dos passeios do Audio TT. Sandes de queijo e fiambre com sumos. No final, um cafézinho, e desta vez com direito à prova de uma "branquinha" para o enjoo ;-)


Durante o período da manhã tivemos ainda a oportunidade de atravessar uma branda.
A branda da Aveleira é uma pequena aldeia que está praticamente toda recuperada para turismo rural. Um conjunto de casinhas de pedra num espaço completamente isolado no alto da montanha. Um sítio excelente para umas pequenas férias de total descanso e relaxamento.





Outro dos motivos de interesse cultural deste passeio foi a visita ao estaleiro de construção de uma estação de geração eólica.

É uma coisa simplesmente deslumbrante ver o tamanho destas bentuinhas. Ao longe não transmitem metade do seu gigantismo...
Dois pormenores a reter da foto seguinte: o Pinin, estacionado na ponta de uma hélice e, mais acima, um enorme dumper, à esquerda da base de uma das torres geradoras (enorme dumper, dizia eu??).
Impressionante!


Mas nós estávamos lá para trabalhar e não para nos divertirmos!!
Assim, passamos a coisas mais sérias. Depois de escolhido o sítio (embora não constasse do road-book, eheheh) e da tenda montada, como se pode ver na foto abaixo, iniciou-se a actividade de atascar e desatascar três viaturas que, resolveram simplesmente ... atascar ;-)))
Conselho: não levar mulheres descrentes para estes locais. O resto do dia, por mais longo que seja, não chega para explicar as razões desta irrazoabilidade...
;-)



O almoço, na estalagem de Castro Laboreiro, soube às mil maravilhas!
Uma vitelhinha bem regada, que fez avivar novamente os espíritos.
O local da estalagem é também perfeito. Situado no topo norte do vale da Peneda, tem umas vistas fantásticas. Qualquer dia tenho que lá voltar para fazer um dos vários percursos pedestres assinalados.


A parte da tarde era dedicada ao planalto de Laboreiro. Uma zona inóspita, de paisagem agreste, por onde só os pastores, gado e animais selvagens e ... os maluquinhos, por lá se metem.
Maluquinho, eu? Ah, não. Não estava a falar de mim ;-)
Maluquinhos eram um casal que, perdidos lá no meio, andavam de moto. Uma moto de estrada!
Não percebi. Será que estavam a planear entrar no negócio florescente do contrabando de/para Espanha e andavam por ali a pesquisar caminhos?


Esta foi tirada pelo Gonçalo!


Oh pra mim a sombrear, já em Espanha!!!


É verdade, o segundo local de trabalhos "desforçados" já foi do lado de Espanha.
Mais uma vez, as dificuldades atravessaram-se no caminho dos... que as procuraram (e sabiam onde as encontrar) :-)))
Do outro lado da linha de fronteira, um rico pântano. Todas as condições reunidas para que uma das mais potentes máquinas, e porque não dizer, das mais pesadas, pudesse encontrar um local de onde fosse difícil, mas muito difícil, sair.
Tarefa cumprida!

O Pinin desta vez fez-se um pouco de rogado, e não se fez ao pântano, embora tivesse ido "cheirar".
Afinal, a satisfação de desatascar um carro de apenas tonelada e meia não vale o esforço :-)



A última parte dos trilhos do dia foi já realizada de noite. E mesmo assim não cumprimos o road-book...
Mas será que alguém ficou chateado por isso? Claro que não!
Tinha sido um dia longo, cansativo, mas de uma grande satisfação.
Os meus parabéns à organização, por tudo.
Por muito que tentasse não conseguiria apontar qualquer aspecto que não tenha sido pensado. É que não falha nada. Parabéns!

Enquanto havia alguma luz, ainda apanhei um show de Néon bem no meio do monte!
Ou seria um garrano com luzes traseiras?
:-)


Os bravos a caminho do pôr do sol.


O restante "filme" do dia podem vê-lo aqui. Um conjunto de ... muitas fotos com todos (espero) os protagonistas em mais ou menos acção.

3 comentários:

PAS disse...

Então a Mónica também foi, espero que tenha curtido para a vermos por lá mais vezes ;-)
A Reportagem está eecelente, tive pena de não poder lá ter estado, talvez para a próxima...

AJO disse...

Bela fotoreportagem..., para quem não foi consegue ficar a saber o que se passou por lá, apesar do frio, pelos vistos, à chegada e sentido à saída (já lá estava ;-)).... Não tens é cá umas fotos que eu tenho ;-).... mas vão enviar-te... Bjs para todos

Manuel disse...

Boa. Assim já fiquei a saber o que perdi da parte da manhã.