04 setembro 2007

Touro Vermelho com asas

Pois é, eu também passei pelas margens do Douro para assistir ao Air Race Porto-Gaia.

Na passada sexta-feira, 31 de Agosto, resolvi "ir ver os aviões".
E foi mesmo assim. Sem qualquer propósito de assistir à competição, e nem sequer olhar para o programa, resolvi dar uma vista de olhos aos aviões.
Numa de despreocupação total, como o último dia de Agosto merece ;-)



Saí de casa eram 10h e levei o Gonçalo comigo, o que implicou... não ir de moto, que se veio a revelar na primeira complicação.
Tentei entrar para a marginal de Gaia pela zona da Afurada, acesso que me pareceu o mais conveniente quando ainda estava por casa. Mas não era... estava tudo bloqueado desde muito longe.
Bom, há que tentar o outro lado, a marginal do Porto.


A marginal do Porto, àquela hora, estava totalmente desbloqueada, incluindo a ponte Luís I.

O problema, para mim, é que não havia aviões...

Os planos de ver alguns treinos saiu completamente furado. Percebi mais tarde que o dia era apenas dedicado às qualificações e que o programa era iniciado apenas às... 14h.

Ai este pessoal distraído...


Depois de estacionar o carro quase por baixo da ponte Maria Pia (longe, pensei eu naquela altura), lá fomos nós.

Ainda não eram 11h e havia já muita gente junto às margens, a guardar lugar. Resolvi fazer o mesmo. Achei um lugar fantástico, a 100 m da ponte Luís I, junto à margem e mesmo em frente ao video wall e respectivo sistema de som (que nessa altura estava desligado).

Aí é que percebi que o início estava longe... muito longe... a quase 3 horas de distância.

Bem, nova mudança de planos. Vamos comer e dar uma volta.

Realmente as perspectivas mudam com as situações. Aquilo que me pareceu muita confusão na altura (cinco ou seis pessoas numa fila) era um descanso absoluto quando comparado com o que se passava apenas duas horas depois.

Um panado e uma sande americana, acompanhados pelos respectivos líquidos. E lá fomos nós, mais contentes.

Chegamos perto do local onde a organização do evento, e a RTP, colocaram os seus palanques. Só que aí, os melhores sítios já ficavam a 2 m da margem e com uma quantidade enorme de cabeças pela frente, principalmente para o Gonçalo...
Resolvi então voltar para trás.

Para minha surpresa, o "meu sítio" ainda lá estava.

Mesmo encostado ao topo do muro e com uma grade para recostar. Fantástico!

Ainda faltava uma hora para o início, mas há que assentar arraiais.

Uma das primeiras coisas que me surpreendeu foi a pontualidade da organização.

O cronómetro marcava o tempo para as 14h, e os segundos estavam certos (pelo meu relógio, que nunca está errado ;-) Às 14 estava a começar.



Antes disso já tinha dado falta da... máquina fotográfica.
Vir para um evento destes sem a máquina fotográfica é imperdoável!!!
Mas aí lembrei-me da máquina do ... telemóvel.
Nunca a tinha usado, mas há que experimentar. Como se pode ver pelas fotos anexas, a qualidade não é famosa mas escapa. O pior de tudo é mesmo a lentidão da mesma, que me fez perder alguns dos melhores momentos...

O espectáculo é mesmo ... um espectáculo!

Mais tarde percebi que nem toda a gente que lá foi teve a minha sorte, e que, enquanto assistia ao vivo não teve acesso a toda a informação dada pela organização, através dos vídeo walls.

Nestes, assim como através do som, toda a informação necessária à compreensaão da prova era transmitida. A mesma informação foi transmitida pela RTP no dia da prova e que só por ali permitiu às pessoas entender e gozar do espectáculo.

Além dos próprios aviões da prova, outros eventos fizeram parte do espectáculo:

o salto inícial de para-quedas (a queda livre até perto dos 200 m fez-me assustar...)

a exibição dos "Marines" da nossa Marinha, em particular do Super Navy Linx e

o show aéreo do Breitling Jet Team que, com os seus seis jactos, fecharam o dia da melhor maneira.

Foi a primeira vez que assisti a um festival aéreo e adorei.

Aqueles pequenos aviões, com as suas acrobacias, dão um espectáculo deslumbrante. Curvas super-apertadas, feitas a quase 200 km/h, que provocam acelerações próximas dos 100 ms-2.

Incrível!!

(eheheh, esta é parte do "físico" a falar")

Mas só assistindo ao vivo.

Como em qualquer desporto, principalmente motorizado, a emoção vive-se ao vivo!

No entanto, também me pareceu que houve muita gente que não conseguiu assistir ao verdadeiro espectáculo devido a estar muito mal colocada pelo excesso de pessoas.

É que se por um lado é muito interessante poder dizer que estiveram 600 mil pessoas no dia da prova e 250 mil no dia das qualificações, por outro, muitas dessas pessoas não tiveram a verdadeira oportunidade de assistir efectivamente ao evento.

Mas, com toda a sorte que tive neste dia, ao assistir de "cadeirão", eu gostei. E muito!

No final, a passagem da ponte Luís I também foi muito interessante. A passagem de milhares de pessoas fez lembrar a antiga e malograda ponte das barcas...

E ainda percebi que afinal o carro "até tinha ficado pertinho"! É que houve pessoas que vieram a pé até à circunvalação, depois de passar a rotunda do freixo.


Smoke On !-)

3 comentários:

Manuel Silva disse...

Reportagem 5*. E as fotos até estão muito boas, principalmente sabendo que foram tiradas com o telemóvel.

PAS disse...

Gostei da reportagem, mas apesar de ter assistido de pé, gostei mais de lá ter estado ;-)

JFAlves disse...

Obrigado pelos comentários!
Mas o "cadeirão" que falo é mesmo figura de estilo, pela excelente localização que proporcionou, porque a posição foi mesmo... de pé !-)