30 maio 2015

Criançada em alto delírio

Muito fixe!!
Altamente!!
Gostei. Muito!!

E foi assim, com estes comentários, no final das 3 ou 4 voltinhas em torno do pátio em frente ao pavilhão Rosa Mota, no Palácio de Cristal, que passei a tarde de hoje.

Já não é a primeira vez que o Moto Clube do Porto "patrocina" a Festa da Criança, organizada pela Porto Lazer, Câmara Municipal do Porto, mas é sempre muito bom.
Aquele saborzinho de se estar a fazer algo que trás alegria. ..
E então às crianças sabe mesmo bem.





















Amanhã há mais.
Vou lá estar o dia todo!...

16 maio 2015

Mrrr'nhau

Com apenas meio ano e a ferinha já lhe deu pr'a maluqueira.
Ferinhas!... 


02 maio 2015

Caminho Português pela Costa - parte 2

Depois do cancelamento de última hora da caminhada marcada para este fim-de-semana, devido à previsão de trovoada e chuva constante para a região da Serra Amarela, o dia de hoje não podia deixar de ser de caminho.
Fruto do momento, para não variar, lá saltei da cama, preparei a mochila e o equipamento de chuva, e lá segui eu para norte.
Santiago, aí vou eu!
Bem... quase. Quase, Santiago ;-)

Como já tinha chegado, pelo Caminho da Costa, até Labruge, resolvi "pegar" por aí.
Os verdes campos junto ao aeroporto tinham mudado de cor, ainda que com o milho já a despontar em alguns terrenos.
Os aviões, não os da TAP, que esses hoje não tiveram condutor..., lá iam surgindo, de surpresa, do tecto baixo que se verificou o dia inteiro.



Passei por Labruge, mas desta vez não fiz o desvio para a igreja, onde fotografei a estátua de Santiago.
Se há terras onde o caminho vai aos "esses" para passar pelas capelinhas todas (aqui a expressão é literal ;) em terras de Vila do Conde marca-se mesmo com um X amarelo para "não ir por lá".
Não percebo a lógica, até porque se a estátua é interessante é para os peregrinos.
Mas colocam placas bonitinhas. Pelo menos isso...


Os quilómetros seguintes também não foram muito interessantes...
Demasiado "colado" à autoestrada, o caminho é muito ruidoso para o meu gosto. Lembrei-me do "outro", o verdadeiro "pela costa", que também já tinha feito parte, até Vila Chã.
Quando vi a placa da vila, junto ao parque do outlet Nassica, resolvi virar na direcção do mar.
Sem dúvida um caminho mais longo, não marcado, mas que me pareceu a decisão acertada.

Ao chegar ao Largo dos Pescadores, resolvi parar para almoçar. Estava na hora e o estômago dava sinal.
No café confeitaria Sandra já lá almoçavam duas caminheiras, estando também a chegar um outro casal de peregrinos. Estes últimos, aparentemente americanos, pela pronúncia, queriam "a soup". Não havia. Puseram-se novamente a caminho.
As outras duas "almoçavam" duas meias de leite e duas omeletes.
Resolvi meter conversa... Tentei perceber como é que seguiam aquele caminho e não outro.
A conversa não foi fácil: uma era alemã, a outra espanhola. Cinquentonas, perto dos sessenta. Seguiam um guia, impresso, em alemão, onde me mostraram que tinham arrancado no dia anterior da "Cathedral" do Porto, tendo pernoitado em Matosinhos, seguindo sempre junto "à água". No guia não constava o Caminho Português da Costa...
Há ainda muito trabalho de divulgação a fazer.



Depois de meio frango com batatas, uma salada mista e uma Super, lá me meti também eu ao caminho.
Depois de duas horas, o impermeável já mostrava mostras de pouca impermeabilização...
Tirei a camisola de malha polar e voltei a vestir o casaco já molhado por cima da camisola de malha térmica.
Esta é uma muita boa opção para a caminhada à chuva, se não estiver frio, como não estava, mas não deixa de ser desagradável ao vestir...

A marginal de Vila do Conde está realmente muito bem tratada, com passadiços novos, em boas condições.
Num dia de sol, como quando por lá andei há um mês atrás, é extremamente agradável para um "easy esticar de pernas de sunday morning".



Ao chegar a Mindelo o Caminho assinalado pelas setas amarelas muda de curso, para o interior.
Não percebi a razão, mas desconfio que quem o marcou não quisesse que se atravessasse a Paisagem Protegida Regional do Litoral de Vila do Conde e Reserva Ornitológica do Mindelo.
Foram cerca de dois quilómetros em plena solidão.
Além de mim, apenas umas gaivotas pareciam aventurar-se por ali.
Gostei. Pela segunda vez no dia contrariei as indicações, mas valeu a pena.



A travessia do rio Ave obriga a afastar novamente do mar para cruzar a ponte junto ao edifício do antigo mosteiro de Santa Clara, hoje abandonado.

Caminhar a solo tem as suas vantagens. De todas as vezes que fui a Vila do Conde, esta foi a primeira vez que olhei e vi, pormenores desta pequena mas muito interessante cidade.
Não tem nada a ver com Maia, Valongo ou qualquer outra cidade dos concelhos vizinhos do Porto.
Vale a pena uma visita. Com calma...
Fiquei com vontade de conhecer o interior de alguns edifícios.



Mas a ideia que se tinha instalado era fazer o percurso sempre junto ao mar, por isso lá segui eu novamente para poente, até à avenida do Brasil. Daí, para norte.
Zona rica, esta!
Casarões por ali é o que não falta, em contraste absoluto com as casas um quilómetro acima, já na zona dos pescadores, em Caxinas.
Mas o pormenor que mais me chamou à atenção foram os próprios pescadores. Num dia de muita chuva e nevoeiro estavam, naturalmente, em terra, metidos nos pequenos cafés "em cima" do mar, a jogar cartas.
Por duas vezes ficaram a olhar para mim e falar entre eles, quando apontei a lente da câmara para aqueles edifícios vidrados, a tentar apanhar a cena.
Desconfiados...

Mas nem só os pescadores estavam dentro de portas.
Praticamente só eu circulava nos longos calçadões de Vila de Conde e Póvoa de Varzim.
Enquanto passava em frente ao casino, em pouco mais de um minuto vi lá entrar mais de dez pessoas. Jogos de comemoração do dia do trabalhador?...



O trilho estava no fim.
Cheguei à "rotunda do estádio do Varzim", que talvez seja mais conhecida como rotunda do Farol, e voltei para "dentro".
O retorno a casa iria ser feita de comboio, por isso segui na direcção da estação, que era bem mais longe do que eu tinha imaginado. Nada de mal, pois afinal caminhar era o que estava ali a fazer ;)

A última fotografia, feita numa rotunda bem perto da praça de touros, mostra uma cena onde o touro é o elemento central, mas na realidade o que quis registar foi o "arranha céus" a entrar nas nuvens, lá ao fundo.
Nesta foto é mais uma vez notório o "tecto baixo" que se fez sentir o dia todo.
Muita humidade, muita chuva, que já me penetrava (quase) por todo o lado.
Quando cheguei a casa e tirei a roupa, percebi que a única parte que não estava molhada eram os pés, dentro das botas.
Foi um teste extremo ao material, que deu para perceber que não estava preparado para uma semana de chuva, se estivesse a caminho de Santiago...
Fez-me pensar no grande número de pessoas, algumas amigas, que estão precisamente a caminho.
Um Bô Camiño para todos!